Você sabe qual a diferença entre o Sistema de Alarme de Incêndio Convencional e o Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável?

Diferença entre o Sistema de Alarme de Incêndio Convencional e o Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável?

Quando o assunto é sistema de alarme de incêndio, é comum encontrarmos informações erradas ou incompletas sobre a diferença entre convencional e endereçável. Abaixo iremos explicar detalhadamente como cada um desses sistemas funciona e também iremos desmistificar a falsa informação que diz que não é possível identificar o elemento de forma individualizada no sistema convencional.

Dispositivos de entrada x Dispositivos de Saída

Para entendermos a diferença entre o sistema de alarme e detecção de incêndio convencional e o sistema de alarme e detecção de incêndio endereçável, temos que deixar bem claro quais são os elementos que compõem o sistema e identificar quem são seus dispositivos de entrada e saída.

OBS: É importante lembrar que, conforme a NBR 17240, todo o sistema de alarme e detecção de incêndio deve OBRIGATORIAMENTE possuir uma central de alarme de incêndio no comando do sistema.

Na Imagem 1, abaixo, temos uma imagem que demonstra claramente cada item pertencente ao sistema e indica quais são os elementos de entrada do sistema e quais são os elementos de saída.

Diferença entre dispositivos de entrada e dispositivos de saída em um sistema de alarme e detecção de incêndio
Imagem 1. Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio e seus dispositivos de entrada e saída.

Conforme vemos na imagem acima, a central recebe o sinal da ocorrência de uma emergência dos dispositivos de entrada e envia um sinal de alarme ou comando para os dispositivos de saída.

Sistema Convencional

Produtos com um custo relativamente baixo e é indicado para pequenas e médias obras (Até 40 endereços aproximadamente).

No sistema convencional, os dispositivos de entrada são conectados aos laços da central enquanto que os dispositivos de saída são conectados nas saídas de sirene e/ou na(s) saída(s) de contato seco (Também conhecido como saída relé) da central.

Cada laço da central é responsável por receber o sinal de alerta proveniente de um ou mais dispositivos de entrada e identificar o local físico onde este(s) dispositivo(s) está(ão) instalado(s), através de um nome (endereço) que é dado a esse dispositivo ou a esse conjunto de dispositivos. Cada laço convencional recebe um endereço na central, ou seja, cada laço tem apenas um nome de identificação na central.

Esse é o motivo de não ser possível instalar dois equipamentos localizados em compartimentos diferentes da edificação no mesmo laço. Equipamentos instalados em compartimentos diferentes na edificação devem estar em laços diferentes no sistema convencional.

Exemplos de Sistemas Convencionais

Exemplo 1: Não é permitido instalar um detector que está no hall do primeiro andar de uma edificação no mesmo laço do detector localizado no hall do segundo andar da mesma edificação, pois se qualquer um dos dois entrar em alarme, apenas um endereço aparecerá na central e a identificação do princípio de incêndio não terá eficácia.

Exemplo 2: É permitido instalar em um só laço da central dois detectores e um acionador manual que estão localizados no mesmo hall, pois se algum deles entrar em alarme, a central irá encontrar o local físico onde este alarme foi gerado sem nenhuma dificuldade.

Conforme a NBR 17240, um laço pode receber até 20 elementos ou cobrir uma área máxima de 1600 m²), porém, estes elementos devem estar fisicamente no mesmo local.

Quando a central convencional entra em alarme ela ativa suas saídas (saída de sirene e saída relé) depois de um tempo programado na própria central. A saída de sirene é responsável por fazer as sirenes e sinalizadores de evacuação entrar em funcionamento através de alertas sonoros e/ou visuais e a saída relé, ou saída de contato seco, é responsável por ativar ou desativar equipamentos como portas eletrônicas, liberar catracas, ativar discadoras telefônicas, etc.

No sistema convencional todos os dispositivos de saída são acionados ao mesmo tempo quando a central entra em alarme, não sendo possível individualizar esses acionamentos.

A Imagem 2, abaixo, demonstra o que foi explicado acima. Repare que no sistema convencional o fio vermelho (positivo) é comum a todos os laços e o fio preto (negativo) é o responsável pelo endereçamento do laço. Se precisar de 24 endereços em um sistema convencional, será necessário a utilização de 24 vias de fio negativo e uma via do fio positivo.

As saídas de sirene e de contato seco (relé) tem sua fiação própria, como é possível visualizar na imagem abaixo.

Esquema de fiação e funcionamento do sistema de alarme de incêndio convencional.
Imagem 2. Esquema de fiação e funcionamento do sistema de alarme e detecção de incêndio convencional.

Sistema Endereçável

Os produtos possuem um custo maior que o convencional e são indicados para obras grandes e/ou complexas (Acima 40 endereços), pois sua praticidade na instalação e versatilidade tecnológica compensam o custo do produto.

No sistema endereçável tanto os dispositivos de entrada quanto os dispositivos de saída são comandados diretamente pelo laço da central com uma pequena diferença que veremos a seguir.

Existem os dispositivos de entrada e saída diretos, ou seja, são os equipamentos que possuem o mesmo protocolo de comunicação da central e podem ser conectados diretamente no laço da central através apenas dos dois fios de laço vermelho (positivo) e preto (negativo).

No caso do sistema endereçável, tanto os detectores endereçáveis, quanto as sirenes endereçáveis, os módulos endereçáveis e acionadores manuais endereçáveis são ligados diretamente no laço da central.

Vantagens do Sistema Endereçável

A principal vantagem do sistema endereçável é que um laço (par de fios positivo e negativo) pode identificar, localizar e comandar até 125 dispositivos de entrada e saída instalados em diferentes locais da edificação.

Enquanto que o sistema convencional é necessário vários fios negativos para identificar diversos locais distintos, no sistema endereçável apenas um par de fios realiza essa função.

Em outras palavras é possível passar um par de fios por toda a edificação, independente de quão setorizada e ramificada é esta edificação, que todos os elementos serão identificados individualmente sem a necessidade de ter vários fios dentro da tubulação.

OBS: Cada laço da central pode identificar e comandar um máximo de 125 dispositivos, portanto, se houver 250 dispositivos instalados na edificação é necessário a passagem de dois laços (125 endereços + 125 endereços = 250 endereços).

OBS2: As sirenes endereçáveis e alguns módulos endereçáveis necessitam de um par de fios de energia próprio, portanto, deve-se prever um par de fios adicionar caso seja necessário a instalação destes itens.

Em outras palavras, uma instalação de 125 dispositivos em locais diferentes da edificação, utilizando detectores, acionadores manuais, módulos e sirenes, é realizada utilizando apenas dois pares de fios positivo e negativo.

Outro ponto importante que diferencia o sistema convencional do sistema endereçável é que no sistema endereçável é possível controlar individualmente a atuação de cada tipo de dispositivo de entrada e saída. Abaixo seguem dois exemplos de controle individual do sistema endereçável.

Exemplos de Sistemas Endereçáveis

Exemplo 1: Caso o detector de fumaça pertencente ao terceiro andar entre em alarme, eu quero que apenas a sirene pertencente ao 3º andar toque por um minuto e, após esse minuto, todas as sirenes entrem em alarme ao mesmo tempo.

Exemplo 2: Caso o detector de fumaça pertencente a qualquer um dos andares entrar em alarme juntamente com o qualquer outro detector ou acionador manual da edificação, eu quero que todas as sirenes entrem em funcionamento imediatamente e todos os módulos liberem catracas, portas, etc, também imediatamente.

A Imagem 3, abaixo, demonstra o que foi explicado acima. Repare que no sistema endereçável existem menos fios na instalação e os comando são realizados individualmente.

Esquema de fiação e funcionamento do sistema de alarme de incêndio endereçável.
Imagem 3. Esquema de fiação e funcionamento do sistema de alarme e detecção de incêndio endereçável.

Então é isso, a diferença básica entre os dois sistemas é que em locais onde não há necessidade de individualizar os alarmes e exige uma instalação com menos pontos e tecnologicamente mais simples, utiliza-se o sistema de alarme e detecção de incêndio convencional.

Já, se o caso for de uma grande instalação com grande quantidade de pontos e uma necessidade tecnológica complexa, o ideal é utilizar o sistema endereçável pois com apenas um par de fios é possível interligar, endereçar e comandar vários elementos do sistema de alarme e detecção de incêndio endereçável.

Se você gostou deste esquema explicativo, curta e compartilhe este post para que outras pessoas também possam visualizá-lo e ter sua dúvida esclarecida.

Curta também, a página da AbaFire no Facebook e o canal no YouTube para ficar por dentro das novidades do mercado.

 

Deixe uma resposta